Padre confessa assédio sexual Polícia flagrou em telefone mensagens eróticas Veja o Video

Um padre do município de Formiga, no Centro-Oeste do Estado, confessou, em depoimento prestado à Polícia Civil nessa quarta, ter cometido crime de pedofilia contra um adolescente de 14 anos. A vítima costumava jogar futebol com o religioso e sofria os abusos desde o mês de junho deste ano. O nome do suspeito não foi divulgado, e, apesar da confissão, ele permanece solto em função de não ter havido flagrante.

VEJA TAMBÉM
video População fala em caso com seminarista Mais

Segundo a delegada Luciana de Sousa Silva, do Juizado Especial e de Proteção à Família de Formiga, o assédio acontecia por meio de mensagens trocadas por celular e de perguntas postadas em um site de relacionamentos. “Ele (o padre) fazia perguntas do tipo ‘você se sente envergonhado de excitar uma pessoa do mesmo sexo?’”, exemplificou a policial.

O padre, que estaria afastado da Igreja Católica há quatro anos, chegou a sugerir sexo oral e a pedir que o garoto gravasse um vídeo, nu da cintura para baixo. O homem ainda era responsável por uma quadra onde várias crianças praticavam esportes. “A vítima não chegou a enviar imagens, e os dois não tiveram relações sexuais”, disse a delegada, destacando que a atuação da polícia impediu um possível abuso.

Denúncia. A mãe do garoto foi quem procurou a polícia, após o menino contar o que estava acontecendo. A partir da denúncia, a delegada solicitou um mandado de busca e apreensão e foi até a casa do suspeito. Lá, foram achados um notebook e um celular contendo as mensagens trocadas entre o padre e o menino.

“Não encontrei conteúdo pornográfico no computador”, afirmou a delegada Luciana, que foi ao local acompanhada de um perito.

Durante o depoimento, o suspeito chegou a falar que tinha interesse em manter uma relação com o garoto. Por outro lado, o padre também afirmou que gostaria de pedir perdão por suas atitudes.

A Polícia Civil ainda vai ouvir os outros meninos que jogavam bola com a vítima e o suspeito. Além disso, serão feitas diligências na cidade onde ele estava morando. Conforme Luciana, o suspeito nasceu em Formiga, mas morava em outro município, que ela preferiu não revelar o nome. Há um ano ele voltou para a cidade natal, onde tem família.

Por enquanto, a delegada não pretende pedir a prisão provisória do padre. Porém, de acordo com ela, se outros casos de abusos cometidos por ele aparecerem, o quadro poderá mudar. O prazo para que o inquérito seja finalizado é de 30 dias. Inicialmente, o homem deve ser indiciado por pedofilia branda. A pena para esse tipo de crime é de um a três anos mais multa arbitrada pelo juiz.

Proteção

Distância. A delegada Luciana de Sousa Silva informou que vai entrar com pedido de medida cautelar para impedir que o padre se aproxime do garoto e frequente determinados locais.

Rastros virtuais são as provas

A internet pode ter um lado positivo e outro negativo em relação à pedofilia, na opinião de Marcelo Ribeiro, vítima do crime que lançou recentemente o livro “Sem Medo de Falar – Relato de uma Vítima de Pedofilia”. “A rede facilita a prática, mas deixa provas”, explicou.

Segundo Ribeiro, quando o assédio acontece pela internet, o adolescente tem mais facilidade de contar. Entretanto, ele reforça que é preciso procurar a polícia mesmo quando “a denúncia é solitária”. Em 2012, a Secretaria de Estado de Defesa Social registrou 1.941 casos do crime. No ano passado, foram 2.231.


Ele enviava mensagens pornográficas à vítima, diz delegada de Formiga.
Medida cautelar poderá impedir que o suspeito se aproxime do menino.
Bárbara Almeida
Do G1 Centro-Oeste de Minas

Um padre de 48 anos da cidade de Formigaconfessou à Polícia Civil nesta quarta-feira (20) a prática de pedofilia. Segundo a polícia, ele já era investigado pelo crime após denúncias de que estava afastado das atividades por tentar se relacionar com um adolescente de 15 anos.
De acordo com a delegada do Juizado Especial e Proteção à Família, Luciana Sousa, a mãe do adolescente procurou a delegacia após o filho denunciar que o padre enviava mensagens pornográficas para ele via rede social e celular. "A mãe do garoto contou que o menino recebia mensagens do pároco pedindo fotos sem roupa, vídeos pornográficos e até para realizar sexo oral", informou a delegada. A delegada informou que foi aberto um inquérito.
Durante o depoimento, o padre disse ainda que pediu para se afastar da igreja em 2010 por sentir atração por homens.Nesta quarta-feira foi cumprido um mandado de busca e apreensão na residência do pároco. "Recolhemos o celular e o notebook do suspeito, onde localizamos todas as conversas com o material pornográfico que ele mantinha com o adolescente. Durante o cumprimento do mandado, o investigado confessou o crime e só não foi preso por não haver, no momento, estado de flagrância", explicou Luciana.
O suspeito é funcionário da Prefeitura de Formiga. Ele trabalhava na biblioteca pública e também na quadra de esporte onde teria conhecido o adolescente. A Polícia Civil informou que o padre e o adolescente se conheciam porque jogavam futebol juntos. Agora, a delegada entrará com pedido de medida cautelar para impedir que o suspeito se aproxime da vítima. "O inquérito policial tem previsão de término dentro de 30 dias. Em depoimento o suspeito informou que não havia tentado assediar outros adolescentes, mas será investigada a existência de mais vítimas" ressaltou Luciana Sousa.
O G1 entrou em contato por telefone com a Diocese da Igreja Católica de Oliveira, porém o responsável para falar sobre o assunto não foi encontrado. Já a Prefeitura de Formiga informou à reportagem do MGTV que não vai se pronunciar sobre o caso até que seja comunicada oficialmente da denúncia.
VERDADE GOSPEL
Compartilhar on Google Plus

About Pr joão Monteiro


sou Bispo da igreja batista ebenezer!!!!!  em universidade:

Teologia casado com Rosangela Monteiro treis filhos 

lindos  estor na  obra Missionaria


0 comentários:

Postar um comentário

Obrigado Pela Sua Visita

27/08/2014

Padre confessa assédio sexual Polícia flagrou em telefone mensagens eróticas Veja o Video

Um padre do município de Formiga, no Centro-Oeste do Estado, confessou, em depoimento prestado à Polícia Civil nessa quarta, ter cometido crime de pedofilia contra um adolescente de 14 anos. A vítima costumava jogar futebol com o religioso e sofria os abusos desde o mês de junho deste ano. O nome do suspeito não foi divulgado, e, apesar da confissão, ele permanece solto em função de não ter havido flagrante.

VEJA TAMBÉM
video População fala em caso com seminarista Mais

Segundo a delegada Luciana de Sousa Silva, do Juizado Especial e de Proteção à Família de Formiga, o assédio acontecia por meio de mensagens trocadas por celular e de perguntas postadas em um site de relacionamentos. “Ele (o padre) fazia perguntas do tipo ‘você se sente envergonhado de excitar uma pessoa do mesmo sexo?’”, exemplificou a policial.

O padre, que estaria afastado da Igreja Católica há quatro anos, chegou a sugerir sexo oral e a pedir que o garoto gravasse um vídeo, nu da cintura para baixo. O homem ainda era responsável por uma quadra onde várias crianças praticavam esportes. “A vítima não chegou a enviar imagens, e os dois não tiveram relações sexuais”, disse a delegada, destacando que a atuação da polícia impediu um possível abuso.

Denúncia. A mãe do garoto foi quem procurou a polícia, após o menino contar o que estava acontecendo. A partir da denúncia, a delegada solicitou um mandado de busca e apreensão e foi até a casa do suspeito. Lá, foram achados um notebook e um celular contendo as mensagens trocadas entre o padre e o menino.

“Não encontrei conteúdo pornográfico no computador”, afirmou a delegada Luciana, que foi ao local acompanhada de um perito.

Durante o depoimento, o suspeito chegou a falar que tinha interesse em manter uma relação com o garoto. Por outro lado, o padre também afirmou que gostaria de pedir perdão por suas atitudes.

A Polícia Civil ainda vai ouvir os outros meninos que jogavam bola com a vítima e o suspeito. Além disso, serão feitas diligências na cidade onde ele estava morando. Conforme Luciana, o suspeito nasceu em Formiga, mas morava em outro município, que ela preferiu não revelar o nome. Há um ano ele voltou para a cidade natal, onde tem família.

Por enquanto, a delegada não pretende pedir a prisão provisória do padre. Porém, de acordo com ela, se outros casos de abusos cometidos por ele aparecerem, o quadro poderá mudar. O prazo para que o inquérito seja finalizado é de 30 dias. Inicialmente, o homem deve ser indiciado por pedofilia branda. A pena para esse tipo de crime é de um a três anos mais multa arbitrada pelo juiz.

Proteção

Distância. A delegada Luciana de Sousa Silva informou que vai entrar com pedido de medida cautelar para impedir que o padre se aproxime do garoto e frequente determinados locais.

Rastros virtuais são as provas

A internet pode ter um lado positivo e outro negativo em relação à pedofilia, na opinião de Marcelo Ribeiro, vítima do crime que lançou recentemente o livro “Sem Medo de Falar – Relato de uma Vítima de Pedofilia”. “A rede facilita a prática, mas deixa provas”, explicou.

Segundo Ribeiro, quando o assédio acontece pela internet, o adolescente tem mais facilidade de contar. Entretanto, ele reforça que é preciso procurar a polícia mesmo quando “a denúncia é solitária”. Em 2012, a Secretaria de Estado de Defesa Social registrou 1.941 casos do crime. No ano passado, foram 2.231.


Ele enviava mensagens pornográficas à vítima, diz delegada de Formiga.
Medida cautelar poderá impedir que o suspeito se aproxime do menino.
Bárbara Almeida
Do G1 Centro-Oeste de Minas

Um padre de 48 anos da cidade de Formigaconfessou à Polícia Civil nesta quarta-feira (20) a prática de pedofilia. Segundo a polícia, ele já era investigado pelo crime após denúncias de que estava afastado das atividades por tentar se relacionar com um adolescente de 15 anos.
De acordo com a delegada do Juizado Especial e Proteção à Família, Luciana Sousa, a mãe do adolescente procurou a delegacia após o filho denunciar que o padre enviava mensagens pornográficas para ele via rede social e celular. "A mãe do garoto contou que o menino recebia mensagens do pároco pedindo fotos sem roupa, vídeos pornográficos e até para realizar sexo oral", informou a delegada. A delegada informou que foi aberto um inquérito.
Durante o depoimento, o padre disse ainda que pediu para se afastar da igreja em 2010 por sentir atração por homens.Nesta quarta-feira foi cumprido um mandado de busca e apreensão na residência do pároco. "Recolhemos o celular e o notebook do suspeito, onde localizamos todas as conversas com o material pornográfico que ele mantinha com o adolescente. Durante o cumprimento do mandado, o investigado confessou o crime e só não foi preso por não haver, no momento, estado de flagrância", explicou Luciana.
O suspeito é funcionário da Prefeitura de Formiga. Ele trabalhava na biblioteca pública e também na quadra de esporte onde teria conhecido o adolescente. A Polícia Civil informou que o padre e o adolescente se conheciam porque jogavam futebol juntos. Agora, a delegada entrará com pedido de medida cautelar para impedir que o suspeito se aproxime da vítima. "O inquérito policial tem previsão de término dentro de 30 dias. Em depoimento o suspeito informou que não havia tentado assediar outros adolescentes, mas será investigada a existência de mais vítimas" ressaltou Luciana Sousa.
O G1 entrou em contato por telefone com a Diocese da Igreja Católica de Oliveira, porém o responsável para falar sobre o assunto não foi encontrado. Já a Prefeitura de Formiga informou à reportagem do MGTV que não vai se pronunciar sobre o caso até que seja comunicada oficialmente da denúncia.
VERDADE GOSPEL

Nenhum comentário:

Postar um comentário